Atenção
Superliga: cinco perguntas sobre torneio de gigantes da Europa que revolta Uefa e ameaça Champions

Publicado em 19/04/2021 11:25

Foto/Reprodução


Barcelona campeão, Chelsea eliminando o Manchester City de Guardiola, Real Madrid ou Manchester United em campo... Nada agitou tanto o futebol europeu no fim de semana quanto o lançamento da “Superliga”, torneio que reúne 12 dos gigantes do continente.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O novo torneio recebeu, antes mesmo da confirmação, uma resposta dura da Uefa, em parceria com Premier LeagueLaLiga e Serie A da Itália, que, na véspera do anúncio de novidades na Champions League, ameaçou clubes e até jogadores que fizerem parte da iniciativa.

Para entender a “guerra” que tomou conta dos bastidores do mais alto nível do futebol, o ESPN.com.br resume as novidades em cinco perguntas. Veja abaixo:

O que é a Superliga?

A competição, já discutida há algum tempo, ainda não tem uma data confirmada. São 12 os clubes fundadores: os seis principais times da Inglaterra (Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester United, Manchester City e Tottenham), os três gigantes da Espanha (Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid) e mais o trio dos chamados grandes da Itália (MilanInter de Milão e Juventus).

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Segundo adiantou a ESPN, porém, 15 equipes seriam permanentes na Superliga, que não poderiam ficar fora de nenhuma edição. Outros cinco times seriam rotativos, com base em performance.

Quais seriam os clubes fixos?

O plano é para que a Superliga tenha, além dos seis times da Premier League, três de LaLiga e três do Campeonato Italiano, outros dois da Bundesliga e um do Francês também participem. Assim, abre-se a possibilidade para clubes como Bayern de MuniqueBorussia Dortmund Paris Saint-Germain.

O que disse a Uefa?

A entidade divulgou um comunicado duro, ao lado de da Federação Inglesa, Premier League, Federação Espanhola, LaLiga, Federação Italiana e a Serie A. O projeto, encabeçado pelos gigantes ingleses, espanhóis e italianos, foi chamado de “cínico”. A nota faz uma ressalva, com elogio a clubes de Alemanha e França, que seriam contrários à iniciativa.

“Nós vamos considerar todas medidas disponíveis, em todos os níveis, tanto jurídicos quanto esportivos, para evitar que isso aconteça. O futebol é baseado em competições abertas e no mérito esportivo; não pode ser diferente.”, escreveu.

“Assim como já anunciado pela Fifa e as seis confederações, os clubes envolvidos serão banidos de jogar qualquer outra competição, doméstica, europeia ou mundial, e seus jogadores terão negada a oportunidade de representar suas seleções”, ameaçou.

Da ESPN


COMPARTILHAR NO WHATSAPP